segunda-feira, 4 de abril de 2011

ÁRVORES x CALÇADAS x PESSOAS






As três árvores
tiveram suas copas
drasticamente
reduzidas. De uma
delas, só restou
mesmo o trnco.












CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIÁ-LAS.


Se a intenção dos moradores do prédio da rua Oliveira Lima em frente à sede do IPHAN (bairro da Soledade - Centro), era dar mais visibilidade ao prédio para valorizar o imóvel, eles podem até ter conseguido. Afinal de contas, o referido prédio antigo ficava meio escondidinho, por trás das belas e frondosas copas das árvores que foram radicalmente"podadas".
Mal dava pra perceber o charme dos painéis de cerâmica assinados pelo artista Francisco Brennand.

Mas... será que quem vai chamar mais atenção não são as ex-árvores que, se brincar, moram alí há mais tempo? Afinal, a cena que se vê quando se passa é uma paisagem das mais feias. É uma cena de destruição, de desapego e desprezo à tradição das ruas mais antigas do centro do Recife.

Talvez o maior charme dessa rua fosse justamente o "tunel" formado pelas copas das imensas árvores distribuídas ao longo da via, cuja sombra filtra o por vezes incômodo sol escaldante com o qual o recifense convive. Infelizmente, parte desse "túnel verde" foi destruído.



A:
Desnível da rampa de acesso
do estacionamento do prédio.

B:
Desnível que podia ser corrigido
pelo condomínio.










Segundo fiquei sabendo, o corte das árvores (sim, a solicitação foi para cortar/erradicar) foi motivado porque as árvores estariam quebrando a calçada, queixa das mais frequentes por parte das pessoas que reclamam desses vegetais. Alguém teria levado um tombo na calçada. A culpa? Das árvores é claro, de quem mais?

Resolvi ir até o local para fazer o registro fotográfico da destruição e, para a minha surpresa, não constatei nenhuma irregularidade no piso da calçada que justificasse a remoção das árvores. Como pode-se ver nas fotos, existe até um poste, que está mais próximo do muro do prédio do que as árvores.

Será que também solicitaram da companhia de eletricidade a remoção do poste? Duvido. Até mesmo porque "postes", apesar de serem apenas objetos, para as pessoas que tem medo de árvores eles devem ser mais humanos, porque foram inventados por pessoas.

Já as árvores são seres independentes, que crescem, mudam de tamanho, desprendem frutos, folhas, flores, que caem e sujam as ruas. Os postes estão sob o nosso controle. Mesmo que eles atrapalhem o passeio, são só postes. As árvores sim, são inimigas, porque desafiam o nosso egoísmo.










O que sobrou
do Ficus.
















Será que não
dava mesmo para
as pessoas caminharem
nesta calçada?
O que vocês acham?


6 comentários:

Isabela Alegre disse...

nunca comentei no seu blog, mais essa matéria realmente fiquei, chateada, mais será que realmente foi as pessoas que andam a pé, na calçada que pediram pra essas arvores serem cortadas. duvido pq ai da pra andar perfeitamente!

Plante Árvores disse...

Pois é. Mas quem me contou essa história foi uma amiga que é moradora do prédio. Segundo ela, foram os moradores que solicitaram a operação por este motivo :/ Obrigado pela visita, Isabela! :)

Leocádio Neto disse...

As vezes realmente, algumas raízes quebram as calçadas, mas acho que isso indica falta de manutenção, de cuidado, com a calcada e com a planta. Mas para que cuidar de árvore, não é? No caso em questão me parece mais coisa de síndico que coloca grama sintética no playground para as crianças não sujarem as áreas do prédio... E a justificativa são os germes. Chamo isso de assepsia de alma. Gente sem graça.

Isabelle disse...

André: O seu post é mais do que uma denúncia, é uma reflexão existencial e um estudo técnico de qualidade. Acessibilidade agora virou sinômino de calçadas sem árvores, onde sabe-se lá quem vai andar debaixo do sol inclemente. Já montes de lixo, portões eletrônicos que se abrem para fora, carros estacionados e toda sorte de entulhos continuam a impedir a passagem nas estreitas e mal cuidadas calçadas recifenses, além de tudo super-ensolaradas. Precisamos de árvores, sim, e acima de tudo de um projeto de cidade que as queira, que exija calçadas largas por onde as todas pessoas possam passear, ir ao trabalho e às escolas. Uma cidade para pessoas (que precisam de árvores desde o nascimento da humanidade) e não para carros e fachadas. Parabéns pela atenção constante com as pobres árvores da nossa esturricada cidade e pela sensibilidade.

Paula Fernandes disse...

Adorei isso aqui, viu?
Meu blog é cheio delas...

Francamente... é um absurdo pensar que as árvores quebram as calçadas ou atrapalham a passagem pois o prédio e as calçadas são construídas em torno delas, pós árvores e se não sabem construir seus prédios e calçadas entorno delas, que vão aprender... árvores se mexem mesmo, não são como um poste. Mexem com o vento , se locomovem conforme o que lhes empurra... pensam que árvore é o quê?
Invadem seus locais e dps querem que as árvores se adaptem?! É o contrário.

Adorei seu post e vou criar um link dele no meu.
Abçs.

Pedalando & Olhando disse...

Interessante que se pensa em tirar a árvore que trabalha de graça garantindo temperaturas mais amenas, espaço para a vida (aves e insetos) e ambiente mais humano, mas não em aumentar a calçada, diminuir a rua, dizer aos donos dos carros para deixa-los em casa, aproveitar mais o espaço vivo. Triste! Eu publico o Pedalando & Olhando (http://pedalandoeolhando.blogspot.com) e gostaria de usar uma dessas fotos em um post. Se vc tiver algo contra, por gentileza, me avise. Eu vou linkar a foto com seu blog.