segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Um gigante invisível





Uma das
fotos recebidas
por e-mails,
na semana
passada.








O fruto
do baobá,
também
conhecido
por múcua.

Foto: Ana
Virgínia Franca











A foto que
eu mesmo
fiz, em janeiro
deste ano,
de dentro do
estacionamento
do Papa-Capim.




Semana passada circulou um e-mail com essas belas fotos,de um baobá que "se esconde" atrás do estacionamentodo restaurante Papa-Capim, alí na altura da Ponte d'Uchôa,no bairro das Graças, à margem do poluído Rio Capibaribe.Ele fica tão escondido, que eu mesmo só o haviadescoberto por mero acaso, graças a minha curiosidadede ciclista, sempre me embrenhando pelos recantos dos bairros.



O e-mail citado chama a atenção dos cidadãos/ãs e das autoridades governamentais do município, para a importância de pôrem prática (isso mesmo, executar) um projeto de requalificaçãodaquela área, que poderia muito bem ser valorizada, transformando-seem praça ou em um outro espaço público de convivência, tendo como atrativo principal o antigo, imponente e belo baobá.



Quem sabe talvez o próprio restaurante PAPA-CAPIM poderia tomar a iniciativa investindo nos fundos do seu quintal onde mora o baobá, tornando-o um atrativo a mais tanto para os seus frequentadores, como para atrair novos clientes, além de criar uma imagem pra lá de positiva com a comunidade (algo do tipo "árvore adotada...").



Com relação à outra reinvidicação feita no mesmo e-mail, segundo fui informado pela engenheira florestal e professora da UFRPE, Isabelle Meunier, a referida árvore já se encontra tombada, ou seja, protegida por lei de quaisquer depredações e/ou derrubada. Mas, assim como a maioria da população desconhece a existência do baobá, um mal feitor pode não se dar contada existência da lei. Ainda segundo a professora e ambientalista, "um incêndio atingiu o baobá há anos, ocasionado por um morador de rua que se abrigava no seu ôco, e nunca se fez a restauração ou qualificação do espaço do entorno, embora eu já tenha ouvido falar em projetos a respeito... É algo muito simples, basta se ter a intenção e a ação, mas nós não vemos isso com frequencia!".



Um abaixo assinado está sendo distribuído para coletar assinaturasde pessoas que simpatizem com a idéia de proteger o baobá, parasensibilizar as autoridades ou mesmo a iniciativa privada, no sentidode realizar alguma obra que valorize o local, podendo transformá-loem atrativo tanto para os moradores, como até mesmo para turistas,afinal, se não me engano, Pernambuco parece ser o estado brasileiroque reúne a maior quantidade de árvores desta espécie no nosso país (a Adansonia digitata L. é originária da África).



Quem quiser, pode fazer o download do modelo de abaixo assinado fornecido pelo grupo que está organizando esse movimento (arquivo word), clicando aqui para coletar o máximo de assinaturas possível.
Depois de preenchidas, as folhas podem ser entregues na Farmácia Pirâmide (Rua Viscondessa do Livramento 174, Derby - a rua do restaurante Hakata) em nome de Ana Virgínia ou na portaria da Fundação Joaquim Nabuco do Derby (nesta segunda opção, colocar as folhas num envelope escrito "Baobá - entregar a Luiz Felipe Botelho"), de onde serão encaminhadas para os responsáveis pela oficialização do pleito.


O prazo para entrega das assinaturas é até o dia 16 de outubro.



Vamos ajudar? Não custa nada coletar umas assinaturas. Afinal, não é só de Parque Lindu chapa-quente (abandonado) e de Cirque du Soleil destruidor de árvores que vivem os anseios dos recifenses. Vamos mostrar que a população também se preocupa com seu patrimônio natural.


Saiba mais sobre esta árvore, no site da FUNDARJ (clique aqui).




.

2 comentários:

Anônimo disse...

Da minha parte, meu sonho realizado seria colocar-se uma placa na Beira Rio, do lado da Torre, indicando o Baobá: Veja um lindo baobá!!!!!!!!!!
É muito bonito vê-lo a partir do Rio Capibaribe, através do manguesal.

Fica a sugestão.
No meu aniversário, vou convidar o pessoal que vier para assinar a lista.
Uma abraço
Inalda Neves Baptista
inaldab@terra.com.br

Ecodea disse...

André, eu ia mesmo comentar desse e-mail contigo, mas vejo que já estás antenado rsrsrsr
Veja esse outro link: http://viamanguenao.wordpress.com/
Tb gostei do post anterior, pouca gente sabe sobre estes verdadeiros desertos verdes!!
Abraçao,
Andrea