sexta-feira, 3 de julho de 2009

Cirque du Soleil : Quando a arte esquece a vida









Clique
nas imagens
para vê-las
ampliadas










Em Pernambuco, a recente montagem do Cirque du Soleil,
tem causado uma certa polêmica, que só não foi maior,
porque parece que as pessoas ainda não se importam
(será que um dia se importarão?) com a questão delicada
da preservação do nosso meio ambiente.



O local oferecido pela EMPETUR (Empresa Pernambucana de Turismo) para a realização do espetáculo em nosso estado, foi o Parque Metropolitano de Salgadinho, também conhecido
como Parque Memorial Arco Verde. O local possui uma imensa área, sendo boa parte dela ocupada por vegetação arbórea.S egundo matéria citada no anexo 2 (matéria do Diario de Pernambuco disponível no link do rodapé, abaixo). O projeto do parque é do paisagista Roberto Burle Marx e está inserido em uma área de tombamento geral de 10,8 quilômetros quadrados.



A polêmica surgiu porque a organização do espetáculo propôs inicialmente que fossem derrubadas aproximadamente 40 árvores, para que o mundialmente aclamado circo pudesse
se instalar naquele local (ver anexo 1: matéria do Jornal do Commercio disponível no link
do rodapé, abaixo).



A notícia veio a tona porque o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e o promotor
do Meio Ambiente de Olinda, André Felipe Menezes exigiram uma série de documentos que comprovassem a legalidade e viabilidade da obra em consideraçào às questões paisagisticas
e ambientais do parque (ver anexo 2: matéria do Diario de Pernambuco disponível no link
do rodapé, abaixo).



Duas organizações que trabalham e lutam para cuidar do nosso meio ambiente, a ASPAN (Associação Pernambucana de Meio Ambiente) e a ECOS (AssociaçãoEcológica de Cooperação Social) também entraram na briga e protocolaram documento no Ministério Público Federal sobre a posição contrária das entidadesambientalistas a respeito da instalação do Circo de Soleil na área do Parque elistando os diversos prejuízos que poderiam ser causados ao local (ver anexo 3: manifesto do Fórum de Entidades Ambientalistas, disponível no link do rodapé, abaixo).



Mesmo diante dos protestos dos ambientalistas e das matérias divulga das pela imprensa local,
a Empetur seguiu firme e forte no seu propósito de abrigar o espetáculo naquele local. A desculpa para sensibilizar a população e convencer a todos de que valeu a pena o sacrifício das árvores
que alí viviam, é a mais fácil de todas: geração de empregos e turismo. Num país em que emprego é artigo de luxo, não pode haver desculpa mais convincente, até para disfarçar uma hipocrisia implícita.



Se é assim, pensando no bem estar da sua população, seria louvável que o Estado pagasse um pacote de ingressos para possibilitar que o trabalhador que está pegando pesado para erguer
o circo e as suas famílias tivessem condições de assistir ao maravilhoso e elitista espetáculo
dos canadenses engulidores de árvores, cujos ingressos custam bem caro.



E por falar em custos, não sei é o caso dessa turnê Quidam, mas o Cirque du Soleil já contou com o patrocínio de um desses financiamentos públicos que incentivam a cultura,como aconteceu na última turnê pelo Brasil. Esse fato é outra vergonha nacional, visto que,essas verbas deveriam ser usadas apenas para patrocinar quem está começando e não temre cursos próprios nem
é suficientemente conhecido e renomado para obter patrocínios significativos, que não deve ser
o caso do Soleil. Outra bola, digo, malabares fora, do circo.



Não sei por que estou falando nisso, deveria estar falando em árvores, mas como uma coisa
leva a outra, as árvores foram retiradas por interesses econômicos, em um Estado/Pais onde os poderes públicos parecem não estar nem um pouco preocupados/preparados para lidar de maneira justa com a questão do meio ambiente.
Vale lembrar, aqui, que a instalação do Circo não passou pelo Conselho Estadual
de Meio Ambiente - CONSEMA (ver anexo 3).



Agora nos resta esperar e conferir se realmente vão cumprir com a promessa dereplantio.
Na minha humilde opinião, esta deveria ser a última alternativaa se cogitar e deveria ficar
só na proposta. Trocar árvores adultas, frutificando e plenamente integradas
ao ecossistema, à fauna, etc, por mudas é como trocar vidas inteiras por memórias. Ah, tá. O nome do parque é "memorial". Entendi.


Pra ficar mais informado/a:
Matéria publicada no Jornal do Commercio em 16/06/2009: Clique aqui
Matéria publicada no Diario de Pernambuco em junho/2009: Clique aqui
O que pensam os ambientalistas do Fórum de Entidades Ambientalistas: Clique aqui





.

14 comentários:

Ecodea disse...

Excelente e lúcida reportagem, parabéns!
Equipe do Festival Ecológico de PE

Ecodea disse...

P.S. Acabei comentando pelo meu endereço pessoal ao invés do Festival, mil perdoes! :)

Anônimo disse...

Amigos e amigas do Plante Árvores,
Agradecemos pela adoção da campanha contra o desreipeito aos Parques e destruição dos seus atributos naturais. Muito boa a imagem referente ao Circo. Enviaremos aos nossos sócios o endereço do Blog Plante Árvores.

Alexandre - ECOS

Plante Árvores disse...

Obrigado pelo apoio e pelos elogios, gente. Pois é, Alexandre, seria interessante espalhar e esclarecer às pessoas como se deu essa instalação do circo por aqui. Os responsáveis precisam saber que a banda não pode mais tocar nesse tom !

Abraços :)

Ecodea disse...

Pois é, me desculpe, era pra ter feito o comentário inicial pelo blog do Festival e nao com meu perfil pessoal! :)

Quanto a passeata, vc eh daqui de Recife? Qualquer coisa manda um e-mail pro endereço do Festival (festivalecologico.pe@gmail.com) que eu encaminho para Alexandre da ECOS, que tava querendo fazer algo assim tb.

Sim, estou neste caminho do crudismo (na verdade, mais para o frugivorismo), apesar de ainda nao estar sendo "perfeito", mas tem sido interesante.

O Peabiru na verdade eh uma referência à Pedra de Ingá mesmo, que inspirou o disco. Por sinal, um lugar belíssimo, vc conhece?

Abs,
Andrea

Wellington de Melo disse...

Perfeito! Um grupo de amigos organiza uma manifestação para o dia de estreia. Se puderem entrar em contato, o email de um dos organizadores é:

osvaldobraga@gmail.com

Gostaria de usar essa imagem em meu blog! Autorizam?

Abs.

Robson Fernando disse...

Olá. Eu peguei a imagem do palhaço boxeador e reproduzi no blog Consciência Efervescente. Obrigado e parabéns pela imagem inteligente.

Se quiser visitar meu blog, ele está de portas abertas.

E um alerta: a primeira imagem não está se ampliando.

Abs

Cláudia disse...

Uma pergunta: Porque não foi feita nenhuma manifestação (no local, com a imprensa, etc) antes das árvores serem cortadas?

Plante Árvores disse...

Wellington e Robson, podem usar à vondade as imagens (são duas, agora). O importante é divulgar e protestar. Obrigado ela visita pelo interesse e vamos somando nossas "consciências efervecentes"!
:)

Plante Árvores disse...

Cláudia,
eu acho que por 2 motivos:

Primeiro,
porque estava se esperando um desfecho do que ia acontecer depois que o Ministério Público entrou tentando impedir a retirada das árvores;

Segundo,
porque eu acho que as pessoas são muito passivas em relação a essas questões. Ficam só observando e se conformando com o desfecho dos acontecimentos, especialmente quando o tema envolve meio ambiente. Ficam sempre esperando que "as entidades que cuidam do meio ambiente" apareçam e façam mágica sozinhos.
.

Robson Fernando disse...

Valeu aos/às don@s do blog pela apreciação ao meu.

Onde vocês adicionaram? No blogroll?

Robson Fernando disse...

Valeu, André, pela adição e pela apreciação, novamente!

Adicionei o Plante Árvores entre os links do Consciência Efervescente também. Somos parceiros agora.

Abração

Robson Fernando disse...

Sei que é tarde pra lembrar, mas duas logomarcas mais caberiam nas imagens: a da CPRH e do Governo de Pernambuco.

Three time free disse...

Pois é, querido
Aconteceu tantas emoçoes nesses últimos meses?
Nem sei quanto tempo faz que não tiro a poeira da mesa...
.
Mas me fale de você.
Plantando muito sentimento?
Beijo e não me liga, heheh
Até mais, mocito.